Avançar

Uma Breve História da Pena de Morte

Poupe 10%
Preço original €15,95
Preço atual €14,36
Preço válido de 01 a 16 de junho de 2024. Inclui IVA à taxa legal em vigor.
Isbn 9789895702213
«ESTE LIVRO VAI DEIXÁ-LO A PENSAR 
DURANTE MUITO TEMPO.»
Frankfurter Rundschau 

22 de abril de 1846. Lagos. Dia da execução de José Joaquim Grande, um assassino condenado à pena máxima. Será esta a última sentença de morte concretizada no país. Vinte e um anos depois, a 1 de julho de 1867, Portugal tornar-se-ia a primeira nação europeia a abolir a pena de morte. 

A abolição da pena de morte é um avanço civilizacional e um marco no processo da proteção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais. Nos dias de hoje, não se pratica na Europa. Mas o debate mantém-se entre defensores desta medida e todos aqueles que se lhe opõem. As leis, os métodos de execução e a forma como se realizam mudaram. Mas terá também mudado a crença de que estamos a fazer algo «justo»? 

Uma Breve História da Pena de Morte descreve e documenta as múltiplas facetas da pena de morte, do carrasco romano à injeção letal nas cadeias americanas: a superstição, o temor de Deus, o poder do Estado, a fé na tecnologia, o espírito humanitário. Se tempos houve em que as execuções eram rituais sagrados e públicos — uma reconciliação entre a alma daquele que morria e Deus —, hoje chega a ser um ritual coletivo de punição e limpeza transmitido por meios de comunicação. 

Em todos os tempos e em quase todas as sociedades humanas, a aplicação da pena capital ocorreu sempre sob o conceito da legitimação do Estado — mesmo além dos campos de batalha. Mas, será legítimo o estado decidir a morte dos seus cidadãos? Afinal, quem pode decidir o fim da vida?

Leia um excerto deste livro AQUI

LEIA TAMBÉM, DO MESMO AUTOR: 

O Executor

O Líder do Tribunal Nazi que Ordenou a Execução de Milhares de Alemães 

O Caso do Século

A história secreta do processo Sacco & Vanzetti 

O Homem que Tentou Matar Hitler

Um carpinteiro que quase mudou o curso da história

Foram Todos Nazis

Hitler não usurpou o poder, foi eleito pelo povo alemão.

***

HELMUT ORTNER
Nasceu na Alemanha em 1950, vive e trabalha em Frankfurt. Escreveu diversos livros de sucesso, publicados em mais de 14 países. Convidado pelo Instituto Goethe, realizou diversas digressões para divulgar o seu trabalho um pouco por todo o mundo. Os seus livros O Executor e O Homem Que Tentou Matar Hitler tiveram um forte impacto na Alemanha no momento da sua publicação e receberam elogios nos principais jornais e revistas do país como o Süddeutsche Zeitung, Die Zeit, Der Spiegel, entre outros.