Avançar
O cor-de-rosa não é uma cor? - Alma dos Livros

O cor-de-rosa não é uma cor?

Está tudo pronto para a grande festa do arco-íris, mas o cor-de-rosa não foi convidado. E tudo porque não é uma cor primária, nem sequer sequer uma cor secundária, é "apenas" uma tonalidade.

E o que é uma tonalidade? Não é uma cor? 

É assim que começa a crise de identidade da nossa protagonista, uma rosa antropomórfica com botas de cowboy e chifre de unicórnio a quem o cinzento, uma cor acromática, tenta animar.

Pela mão do cinzento, o cor-de-rosa percebe que existem muitos outros tons, assim como sombreados, e que todos têm a sua importância no mundo das cores. Todos são únicos e especiais!

Basta pensar na pastilha elástica, no algodão doce, nos tutus de bailarina, no seu flamingo de estimação, nos deliciosos queques, no nascer e no pôr do sol: é tudo cor-de-rosa! Esta é a cor que faz as pessoas felizes.

“Sabem que mais? Adoro ser quem sou! E SOU uma cor! Posso não fazer parte do arco-íris, mas sou uma tonalidade, com muito orgulho. Sou uma cor feliz… e a felicidade é para todos!”

Neste livro fofo e ternurento sobre gentileza, inclusão e individualidade, Lindsay Ward explora os temas da autoconfiança e da amizade embrulhados numa história sensível sobre aquilo que verdadeiramente nos define e nos faz felizes. 

O Dia em que O Cor-de-Rosa Descobriu que não Estava no Arco-Íris mostra de forma divertida que todos podemos brilhar se encontrarmos o nosso lugar.

Anterior Sugestões de leitura da nossa equipa

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes da publicação

* Campos obrigatórios